Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Que brinquedo sexual devo oferecer?

por FernandoMesquita, em 22.03.16
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de um leitor do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...

PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!

 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)


"Gostava de comprar um brinquedo sexual para oferecer ao meu marido, 
mas nunca experimentámos nada e nem sei por onde começar. 
O que sugere? "
 

A NOSSA RESPOSTA


Cara leitora

o uso de brinquedos sexuais pode ser uma excelente oportunidade para o casal experimentar novas sensações e partilhar emoções que ajudam a fortalecer a intimidade. 

Em primeiro lugar, é importante que a leitora decida se o brinquedo que pretende é para ambos usarem ou se é algo que lhe quer oferecer para ele potenciar especificamente o prazer dele ou o seu. 

Mas, antes de fazer a oferta tente sondar qual poderá ser a aceitação dele a esse tipo de materiais. 

Ao contrário do que se possa pensar, existem variadíssimos brinquedos eróticos que não se limitam a vibradores de vários feitios e formas! 

Muitas pessoas ficam bastante surpreendidas, ao visitarem uma loja erótica, da imensidão de ofertas que existem que permitem proporcionar uma multiplicidade de experiências sexuais novas.

Geralmente, para os casais que começam a experimentar este tipo de brinquedos, é conveniente iniciarem com coisas mais simples como um creme para massagens com sabores, uma vela que se transforma em óleo, penas, roupas de fantasia e/ou lingerie, devendo investir posteriormente em materiais mais ousados como algemas, chicotes, bolas chinesas, anéis para o pénis, dildos, vibradores, strap-on, etc . 

Como pode ver, a oferta é vasta e cabe ao casal avaliar qual o tipo de brinquedo sexual mais adequado ao seu tipo de intimidade.

Obrigado pela sua questão,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
Deixe o seu comentário!
Ajude os outros com a sua própria experiência 
OBRIGADO!
 
 
 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:01

Sexo oral é para mulheres vulgares

por FernandoMesquita, em 21.03.16
 
 
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de um leitor do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...

PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!

 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)


 
"Tenho 35 anos, sou casado e tenho três filhos. Eu e a minha esposa temos discutido muito, principalmente, por incompatibilidade na nossa vida sexual. 

Ela quer fazer-me sexo oral, mas eu recuso. 

Penso que não é decente a minha esposa, mãe dos meus filhos, desejar práticas típicas de mulheres vulgares. 

Esse tipo de comportamento é completamente contra os meus princípios. 

Só de pensar nisso fico deprimido. Como ultrapassar esta situação?"


 
A NOSSA RESPOSTA


Caro leitor acredita-se que na Era Egípcia, o sexo oral era uma prática comum entre as meretrizes que pintavam a boca como se fosse uma vulva para excitar os clientes. Desde então a prática sexual, que estimula os órgãos genitais com a boca, continua a ser alvo do preconceito pelas pessoas mais conversadoras, embora, hoje em dia, seja uma das atividades sexuais mais comuns entre os casais. 

A textura, a temperatura, e humidade da boca e da língua podem provocar sensações altamente prazerosas nos órgãos genitais. 

Porém, o que é altamente excitante para algumas pessoas pode não ser para outras. Uma percentagem significativa de mulheres e homens não se sente à vontade com o sexo oral. Na maioria destes casos, muitas vezes podemos encontrar uma visão distorcida da sexualidade baseada numa educação sexual rígida que acaba por provocar sentimentos de nojo e aversão. 

Mesmo com toda a abertura sexual, que se vive nos dias de hoje, algumas pessoas encaram as práticas sexuais, que não tenham relação com a reprodução, como pecaminosas ou nojentas. Ao sexo oral acresce ainda o facto de implicar o contacto da boca com os genitais, partes do corpo muitas vezes vistas como impuras ou sujas. 

Gostar ou não de uma prática sexual é algo pessoal, que depende da intimidade do casal e da capacidade de se permitir a vivenciar a experiência. O mais importante é que a intimidade seja um momento prazeroso para ambos.

Obrigado pela sua questão,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
Deixe o seu comentário!
Ajude os outros com a sua própria experiência 
OBRIGADO!
 
 
 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:10

Não o amo ... mas não quero perdê-lo

por FernandoMesquita, em 15.03.16

  

Aqui fica mais um pedido de ajuda de uma leitora do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...

PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!

 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)



 
"Num período em que me afastei do meu namorado conheci outra pessoa. Essa relação não resultou mas marcou-me profundamente a forma como nos dávamos sexualmente. 

Voltei para o meu namorado e, apesar da relação ser praticamente perfeita, sinto pouca vontade sexual, pois tenho um termo de comparação que não consigo apagar. 

Questiono-me se, eu e o meu namorado, não passamos de bons amigos mas, ao mesmo tempo, não consigo imaginá-lo com outra mulher."


 
A NOSSA RESPOSTA


A questão que coloca é complexa e não é fácil dar uma orientação precisa. Se nem a própria leitora compreende o que vai no seu coração, como pode desejar que alguém lhe indique um caminho? Resta-me alertá-la que as comparações, apesar de inevitáveis, são perigosas. 

Não existem relações perfeitas. Temos sim de tentar encontrar a nossa felicidade numa relação que nos faça sentir mais próximos daquilo que desejamos e, neste aspecto, somos todos muito diferentes. Cada pessoa deve avaliar as prioridades que estabelece para uma relação amorosa. 

É óbvio que o sexo é muito importante, mas não é a única variável importante numa relação. Dedique algum tempo para avaliar o que sente. Não se culpabilize se verificar que já não sente o mesmo pelo seu namorado actual. 

Evite ficar presa a pensamentos onde o imagina com outra pessoa. Essa é uma postura egoísta e que, ao mesmo tempo, está impedi-la de também poder ser feliz. Se verificar que já não sente amor por esse homem, que sentido faz permanecer numa relação, onde se sente infeliz, só para que ele não possa seguir também o seu caminho?

 Pense nisso!

Obrigado pela sua questão,


Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
Deixe o seu comentário!
Ajude os outros com a sua própria experiência 
OBRIGADO!
 
 
 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:55

Sinto nojo do sexo oral

por FernandoMesquita, em 17.02.16
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de uma leitora do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...

PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!

 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)


Dr. Fernando, recentemente o meu namorado pediu-me para lhe fazer sexo oral. Apesar de ter tentado sempre que o faço sinto-me enjoada. O que posso fazer? Gostava muito de poder satisfazer o meu namorado desta forma.



A NOSSA RESPOSTA


Cara leitora

a prática de sexo oral não requer preparativos especiais. Algumas mulheres gostam de fazer sexo oral, pois isso transmite-lhes uma sensação de intimidade e proximidade com o parceiro. Outras não gostam ou não vêm qualquer vantagem na sua prática. 

O receio do parceiro ejacular, ou que o mesmo “force” os movimentos, durante o sexo oral, são alguns dos principais obstáculos para as mulheres praticarem sexo oral, pelo que, se for esse o seu caso, deverá falar previamente, com o seu namorado, para acordarem o que “pode” e “não pode” ser feito. 

Uma vez que muitas mulheres sentem algum incomodo com a presença de pêlos no escroto e base do pénis, se for este o seu caso, poderá pedir ao seu namorado para aparar essa zona. 

Além disso, embora algumas mulheres gostem do sabor do sémen, outras sentem-se bastante incomodadas com o mesmo. Se for este o seu caso, poderá encontrar diversas alternativas para esta situação, tais como experimentar fazer sexo oral quando estiverem a tomar banho, pois desta forma os cheiros e sabores diminuem de intensidade, ou procurar preservativos e lubrificantes com diversos sabores usados precisamente para situações como esta ou para pura e simplesmente “apimentar” os encontros íntimos. 

Apesar de tudo, é importante que tenha consciência que tem o direito a parar, se não se sentir à vontade e, eventualmente, voltar a tentar numa próxima oportunidade.

Obrigado pela sua questão,


Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
Deixe o seu comentário!
Ajude os outros com a sua própria experiência 
OBRIGADO!
 
 
 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:14

Voltei para ele mas quero acabar tudo de vez

por FernandoMesquita, em 19.01.16
 
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de uma leitora do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...

PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!

 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)


 
“Dr. Fernando 

estive divorciada durante 2 anos de um homem devido ao abuso de drogas, álcool e faltas de respeito. Mas com as promessas de que ia mudar, acabei por largar o meu emprego, família e voltei para ele.

Mas aos poucos ele voltou aos comportamentos antigos. 

Agora desejo terminar tudo de vez só que estou em casa dele, não tenho emprego, e afastei-me de toda a família para voltar para ele. Não sei o que fazer.”


 
A NOSSA RESPOSTA


Cara leitora, 

muitas vezes, por muito que se deseje, o parceiro não satisfaz nem preenche as necessidades afetivas e sexuais. E o fim da relação, por mais doloroso que seja, pode ser a saída mais sensata. 

Na maioria dos casos, a separação surge após a constatação da impossibilidade da concretização dos sonhos e fantasias idealizadas com o outro. A dor de desfazer essas fantasias leva a que muitas pessoas permaneçam em relações doentes, e tentem restabelecer vínculos antigos, mesmo sabendo que são muito poucas as possibilidades de que as coisas melhorem ou sejam diferentes. 

Muitas vezes, mesmo perante as maiores evidências, interpretamos as situações segundo as nossas expectativas. E pode ter sido isso que levou a leitora a creditar nas palavras desse homem, a ponto de se afastar de familiares e a largar uma vida profissional estável. 

Acontece que agora, apesar de insatisfeita, a leitora ainda não acredita plenamente que pode ter uma vida melhor. Quando tiver a coragem de olhar-se ao espelho e confiar nas suas capacidades, irá ganhar energia para enfrentar o que é preciso enfrentar e, então, tomar conta da sua própria vida!

Obrigado pela sua questão,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
Deixe o seu comentário!
Ajude os outros com a sua própria experiência 
OBRIGADO!
 
 
 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:03

ELA COMPROU UM VIBRADOR

por FernandoMesquita, em 14.01.16
 
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de um leitor do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...
PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!
 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)



 
“SE O DR. PUDER ME AJUDAR FICAREI GRATO 

SOU CASADO HÁ 14 ANOS TEMOS 02 FILHOS E MINHA ESPOSA NUNCA TEVE ORGASMO NA PENETRAÇÃO E ISTO ESTA ME DEIXANDO COM DEPRESSÃO ME SINTO MUITO PARA BAIXO ATE 10 ANOS DE CASADO ELA CHEGAVA AO ORGASMO SOMENTE DE MUITO TEMPO DE PENETRAÇÃO 

AI DEPOIS QUANDO Ñ DAVA MAIS EU MASTURBAVA ELA MUITO TEMPO E AS VEZES ELA GOZAVA NESTA ALTURA EU JÁ ESTAVA COM DOR NOS DEDOS DE TANTOS ESTÍMULOS NO CLÍTORIS DELA  (SEM CONTAR QUE AS PRELIMINARES SÃO BEM ISENTAS)

MAS DE UM TEMPO P/ CÁ ELA COMEÇOU A USAR UM VIBRADOR E UM CONSOLO P/ CHEGAR AO ORGASMOS OS DOIS AO MESMO TEMPO, MAS TUDO ISTO ESTA ME INCOMODANDO POIS SINTO QUE Ñ DOU PRAZER A MINHA ESPOSA 

OBS: JÁ TIVEMOS RELAÇÕES BEM INTENSAS MAS NADA DELA GOZAR NA PENETRAÇÃO. TENHO UM PÉNIS DE 16CM. Ñ SEI SE FAZ DIFERENÇA. JÁ FIZ DE TUDO ESTOU NO DESESPERO MEU CASAMENTO VAI DE MAL A PIOR”


 
A NOSSA RESPOSTA


Caro leitor

a utilização de alguns brinquedos sexuais, como é o caso dos vibradores, é perfeitamente natural e benéfica na intimidade de alguns casais. No entanto, muitos homens sentem-se constrangidos com estes brinquedos. Afinal, como é possível competir sexualmente com um aparelho que nunca fica cansado, ou que não precisa de uma pausa para recuperar “energias”, certo? 

Mas, pense também até que ponto um “brinquedo” consegue “competir” com uma pessoa que vive, respira, fala e pode amar (entre tantas outras coisas)! Tal como descreveu, a sua mulher precisa de um nível de estimulação intenso e prolongado para que consiga ter orgasmo. 

Penso que foi uma excelente forma, que ela terá encontrado, para que ambos consigam ter prazer, na vossa intimidade. Isso não quer dizer que ela o esteja a substituir por uma “máquina”! 

Cerca de 44% das mulheres, entre os 18 e os 60 anos, já usou, pelo menos uma vez, brinquedos sexuais. Isto não significa que elas queiram substituir os parceiros por estes brinquedos, mas sim que desejam explorar e aprofundar a própria sexualidade e a vida sexual com os parceiros. 

Quanto ao tamanho do seu pénis, esta também é uma das preocupações mais frequentes dos homens. Uma vez que a vagina tem cerca de 8 a 10 centímetros de profundidade, e é apenas no terço externo que a mulher tem sensibilidade aos estímulos, um pénis com 9 centímetros é suficiente. Portanto não existe qualquer motivo para ficar preocupado relativamente a esta questão.

 Obrigado pela sua questão,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
Deixe o seu comentário!
Ajude os outros com a sua própria experiência 
OBRIGADO
 
 
 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:36

Fiquei contraída e ele não conseguiu penetrar-me

por FernandoMesquita, em 07.01.16
 
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de uma leitora do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...
PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!
 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)



 
“Eu e o meu namorado tentámos fazer amor pela primeira vez. O pior é que fiquei tão contraída que ele não conseguiu penetrar-me. É normal isto acontecer?”



 
A NOSSA RESPOSTA


Cara leitora,

a primeira relação sexual é encarada como um passo muito importante, para muitas mulheres, o que pode causar um misto de sentimentos de excitação e ansiedade, segundo se pense no seu potencial para provocar prazer ou dor. 

Para algumas mulheres a penetração torna-se impossível, ou muito difícil, o que pode causar sentimentos de frustração à própria e ao parceiro. Os casos mais frequentes correspondem a um vaginismo, que consiste na dificuldade, ou impossibilidade, de ocorrer penetração devido à presença de uma contração involuntária das paredes vaginais. 

Geralmente, o vaginismo está associado a um estado emocional de ansiedade causado pelo receio de sentir dor durante a penetração (por exemplo, se a mulher tiver a crença que tem uma “vagina pequena”). Em alguns casos, além deste espasmo, a mulher diante da simples aproximação do parceiro, contrai os músculos adutores das coxas, a ponto dos joelhos ficarem como que colados um contra o outro. Noutros casos, é possível a penetração vaginal, ainda que incompleta. 

No tratamento do vaginismo é comum o uso de dilatadores vaginais, que são semelhantes a dildos, de vários tamanhos. Inicialmente as mulheres são encorajadas a experimentarem os dilatadores de dimensões menores (o primeiro tem aproximadamente a dimensão de um dedo mindinho). Pode usar um lubrificante à base de água para facilitar a introdução do dilatador e, em seguida, tentar contrair e relaxar as paredes da vagina. Quando se sentir confortável com o tamanho desse dilatador deve usar um de tamanho superior e assim sucessivamente até chegar ao dilatador de tamanho semelhante a um pénis ereto. 


(exemplo de dilatadores)

Em termos de posições sexuais aconselhadas, nestas situações, a mulher por cima é a mais fácil, pois permite que controle a profundidade da penetração e o ritmo da mesma. 

O vaginismo é uma disfunção relativamente fácil de tratar, porém pode afetar seriamente a vida sexual do casal, pelo que deverá procurar ajuda de um terapeuta sexual, se a condição persistir. 

Embora não sejam muito frequentes, existem ainda casos de mulheres com problemas anatómicos que dificultam a penetração e, por isso, é importante ser avaliada adequadamente por um ginecologista.

 Obrigado pela sua questão,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
DEIXE O SEU COMENTÁRIO!
AJUDE OS OUTROS COM A SUA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA DE VIDA, OU PARTILHE TAMBÉM EXPERIÊNCIAS SEMELHANTES
 
A SUA AJUDA PODE SER FUNDAMENTAL...
OBRIGADO!

 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:57

Ele quer voltar

por FernandoMesquita, em 22.12.15
 
 
 
 

 

 
 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de uma leitora do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...
PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!
 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)



 
“Estive casada 15 anos e tenho três filhos. Um dia o meu marido começou um caso com uma colega de trabalho e pouco depois deixou-nos, a mim e às crianças, para ir viver com essa mulher que também se separou do marido. 

Porém, a última vez que ele veio cá a casa trazer o nosso filho mais novo, confessou que era infeliz e perguntou-me se o aceitava de volta. Fiquei sem chão e não sei o que fazer. Ainda gosto dele, é o pai dos meus filhos, mas temo tudo voltar a repetir-se.”



 
A NOSSA RESPOSTA


Cara leitora, 

é certo que nem sempre tomamos as melhores decisões, e isso pode refletir-se em sentimentos de arrependimento, mas também é verdade que, quando essas decisões envolvem terceiros, devemos ter muito cuidado ao tomá-las. 

Parece que o seu marido levou pouco tempo para decidir deixá-la, e aos seus filhos, para ir viver com essa mulher. Isso pode ser um indicador que dava pouco valor à vossa relação e/ou que o sentimento que tinha para consigo não foi suficiente para evitar o sucedido. 

É verdade que algumas pessoas apenas tomam consciência de que amam o parceiro quando se afastam ou terminam a relação, mas também está do seu lado ver se deseja aceitar novamente esse homem na sua vida. 

Voltar ou não, para essa relação, é uma decisão que apenas a leitora pode tomar, mas tenha em consideração que, a menos que existam grandes mudanças na vossa relação, o comportamento dele poderá voltar a repetir-se.

Procure perceber se o arrependimento e infelicidade dele se devem a uma tomada de consciência, de que é consigo que quer ficar, ou se é por esta nova relação não ter correspondido ao que ele imaginava.

 Até breve,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
DEIXE O SEU COMENTÁRIO!
AJUDE OS OUTROS COM A SUA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA DE VIDA, OU PARTILHE TAMBÉM EXPERIÊNCIAS SEMELHANTES
 
A SUA AJUDA PODE SER FUNDAMENTAL...
OBRIGADO!

 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

Sexo virou tortura

por FernandoMesquita, em 17.12.15
 
 
 

 

 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de um leitor do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...
PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!
 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)



 
"Bom dia, 

tenho 22 anos e até há uns três meses atrás eu demorava bastante na relação (uns 30 a 40 minutos), porém a minha namorada reclamava bastante e dizia que dava vontade de sair de cima e quando terminávamos a relação ela já vestia a roupa e queria ir para casa. Não dava nem a 2°, entendo o motivo, pois o filho dela fica com a mãe e por isso ela tem certa pressa, mas o fato dela simplesmente vestir a roupa logo nem deitar um pouco ou conversar,  criticar a minha demora e dizer que dava vontade de sair de cima, isso me machucava bastante psicologicamente. 

Mesmo sabendo que fazia ela gozar diversas vezes numa relação, certo dia levei ela a um motel pois ela sempre disse que gostaria de ir a um motel comigo e planeei bastante aquele dia pensando em tudo para que fosse a melhor transa dela, porém como não eu estava acostumado ao ambiente, e a ansiedade e nervosismo, tomaram conta de mim e ejaculei precocemente. Não chegando nem a haver penetração. Ela vestiu a roupa, fiquei nervoso, e ela não quis esperar dar a 2°. Me ofendeu com palavras. Ainda disse "pagou para nada". 

Não sei se o fato da minha infância apanhei muito por besteira e sempre sofri bulling. Talvez eu seja uma pessoa que absorve com muita facilidade as criticas. 

Desde esse dia não tenho paz. No inicio me deu vontade até de me suicidar. Sinto arritmias cardíacas, frio na barriga, principalmente quando chega próximo do dia da gente transar me da vários flash back e fico lembrando.

O pior de tudo que ela não entende. Converso com ela. Digo que é ansiedade e nervosismo, porém ela não aceita, acha que é falta de tesão nela e simplesmente quando gozo rápido ela pega fecha a cara e me chama para irmos. Eu peço que ela se deite comigo que espere a 2°, que vai demorar porém isso não acontece.

Teve uma vez que fui e ao chegar lá eu disse que não queria. Ela disse "tudo bem" e me compreendeu e deu tudo certo transámos e demorei uns 20 minutos, porém na outra vez gozei logo ao penetra-la, pois o fato da gente fazer amor uma vez por semana, geralmente final de semana, ás vezes me deixa nervoso. Quando vai chegando o dia, fico toda hora pegando no pénis com medo dele não ficar duro. 

Antigamente me masturbava todo dia porém ela pediu que eu parasse, que era muita secura, que não precisava disso e que eu ficava toda hora pegando nas parte dela. Que eu me segurasse que não tinha necessidade de toda hora estar pegando nela, em bunda, vagina e etc. 

Agora após o fato eu mal sinto excitação. Antigamente me masturbava todo dia, agora eu já voltei a ta me esfregando nela to começando a me excitar no momento. Até teve um dia que eu batia uma com excitação mesmo, ai ela me critica que me masturbo mas com ela eu não faço nada. 

Cheguei a me masturbar 3 vezes no dia, nervoso com medo para tentar segurar, porém dava trabalho para levantar e terminava ejaculando rápido do mesmo jeito.

Me sinto sozinho nesse problema pois ela não tenta entender isso. Acho que torna minha luta contra isso mais difícil. Começámos a sair esta semana, pois chamava ela para sair ir numa pizzaria, ela não queria. Já temos quase 1 ano e ela nunca foi em casa passar final de semana comigo. Já chamei muito porem ela não vai. Chamei ela para ir pró rio ela também nunca foi. Ás vezes vou sozinho pro rio e vejo os casais curtindo abraçadinhos. Aquilo me deixa triste, tanto que não chamo mais ela para esses lugares, mas sempre esperei que um dia, quando eu fosse ela falasse que iria também. 

Tudo o que eu queria era ter minutos mais agradáveis com ela. Deitar, assistir um filme com ela em casa, ou ir pro rio ou pizzaria, pois já que não posso entrar na casa dela, porque o pai dela não quer que eu entre, eu gostaria de passar final de semana com ela abraçadinho, pós já passo a semana no trabalho e faculdade à noite.

Pior que toda vez que vamos e gozo rápido chama para irmos e veste a roupa me sinto mais deprimido. Ela diz que ta se sentindo um lixo também quando isso acontece. 

Sei que terminarei perdendo ela por causa disso. Eu não queria perder ela pois antes de namorarmos ela era minha amiga e considero muito ela, mas já está de um jeito que eu já falei com ela e disse "é melhor agente terminar pois não consigo lhe satisfazer e sempre soube que eu adoro satisfazer minha companheira. Melhor você achar pessoa que lhe satisfaça, pois eu não estou fazendo meu papel, mesmo sabendo que sofrerei muito perdendo você, porém acho que será o Caminho certo". 

Ela não me entende me critica isso só acaba complicando. Não consigo me sentir bem. Sexo para mim invés de prazeroso está virando doloroso meu psicológico tá uma merda.

Estou te pedindo ajuda por favor não sei a quem recorrer, não tenho plano de saúde e psicólogo aqui pelo SUS é quase impossível.

Já ejaculei precoce em outros relacionamentos, porém acho pelo motivo das mulheres não me cobrarem, e agente continuar e fazer a segunda, acho que nunca me abalei e conseguia resolver logo esse problema."



 
A NOSSA RESPOSTA


Caro leitor, 

muito obrigado pela sua questão. 

A dificuldade no controlo da ejaculação (geralmente conhecida como Ejaculação Prematura) é dos problemas sexuais mais comuns, entre os homens, mas também é dos mais facilmente ultrapassáveis. Geralmente esta dificuldade está associada a questões de ansiedade. 

Acredito que grande parte da ansiedade que sente deve-se às atitudes e comportamentos da sua namorada. Se por um lado ela se queixa quando o leitor demora mais tempo a ejacular, por outro fica irritada e vai embora quando ejacula rapidamente. Afinal o que ela quer? 

Talvez o problema aqui não resida tanto no tempo que o leitor leva a ejacular, mas sim nalguma incompatibilidade na vossa comunicação e intimidade. Talvez o leitor esteja demasiadamente preocupado com a penetração e se esqueça em investir noutras áreas da intimidade (beijos, toques, caricias, sexo oral, etc). Talvez a forma dela reagir seja o modo que ela encontrou para mostrar que algo não vai bem na vossa relação. Talvez o amor que sentem um por outro não seja suficiente para saberem lidar com este problema. Talvez esteja na hora de cada um ir para o seu lado, visto que não se sabem respeitar como dois adultos em geral e como amantes em particular. 

Tudo isto são suposições e que apenas o leitor e a sua namorada saberão dar uma resposta clara. Procure um momento em que estejam os dois à vontade para falarem abertamente sobre a vossa relação e intimidade. Só assim saberão o que será melhor para os dois. 

Quanto ao leitor, para conseguir ultrapassar esta dificuldade deverá procurar ajuda de um sexólogo. O tratamento pode envolver alguma medicação e uma intervenção psicoterapeutica especializada. 

Na maioria dos casos, os tratamentos são centrados na “re-aprendizagem” gradual do controlo de estímulos através de exercícios de masturbação e focos sensoriais. Por exemplo, quando estiver a masturbar-se e sentir que está quase a ejacular pare! Aguente alguns segundos (até diminuir a sensação de que está próximo a ejacular) e volte a masturbar-se. Repita este processo e ejacule após 3 paragens. Este exercício permitir-lhe-á tomar maior consciência da eminência ejaculatória e controlar melhor a sua ejaculação. 

Este é apenas um dos vários exercícios que podem ser sugeridos por um sexólogo. Cada tratamento deve ser adaptado a cada caso e, sempre que possível, deverá incluir o parceiro no processo terapêutico. 

 Até breve,

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
DEIXE O SEU COMENTÁRIO!
AJUDE OS OUTROS COM A SUA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA DE VIDA, OU PARTILHE TAMBÉM EXPERIÊNCIAS SEMELHANTES
 
A SUA AJUDA PODE SER FUNDAMENTAL...
OBRIGADO!

 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:51

Quero livrar-me do demónio da homossexualidade

por FernandoMesquita, em 28.11.15
 
 
 

 

 
Aqui fica mais um pedido de ajuda de um leitor do nosso BLOG.
Aproveite e dê o seu apoio através de um comentário!

Estes testemunhos são reais e poderão ajudá-l@ a compreender também os seus problemas...
PARTILHE AS SUAS EXPERIÊNCIAS ... AJUDE OS OUTROS !!!
 
(Nota: alguns destes pedidos serão publicados na Revista ANA de forma anónima)



 
Boa noite,

sou homem e fiz esse e-mail, falso para ocultar a minha identidade. 

Olá pessoal, tenho 21 anos de idade e quando era criança tive vários, atos homossexuais com amigos e com um tio que praticava comigo coisas que nem sabia que eram feias, mas gostava e fui crescendo com isso até hoje.

Nunca pratiquei sexo com homem nenhum, e nem com mulheres. 

Já tive 3 namoradas e sempre consigo ter ereção com elas, só que penso que não vou conseguir chegar até a hora de penetrar. Não quero isso para a minha vida, quero ter filhos e esposa, não quero ter relações com homens. 

Até fico com raiva de ver os homossexuais que se vestem como mulheres. 

Não sei o porquê, sinto atração por homens fortes, ou homens que conheço apenas por isso. Tenho o vício de ver pornos gay e depois fico arrependido. Já tentei ficar sem ver, mas o desejo e a tesão é mais forte e sempre voltava a ver os pornos. 

Não sei mais o que eu fazer para me livrar desse mal. 

Eu sinceramente NÃO quero ser isso, não quero isso para a minha vida. 

Isso não é normal. Isso é uma doença que sei que posso me livrar, só não sei como ainda, mais creio que irei conseguir. 

Sou muito católico desde pequeno frequentei a igreja, quando era criança tinha mais amizades com meninas mas quando cheguei à adolescência preferia fazer mais amizades masculinas onde até hoje tenho e sempre conversamos assuntos realmente heteros, pós eles não sabem nada desse meu sofrimento que passo. 

Espero que Deus me possa livrar disso tudo e eu possa ser um novo homem livre desse demónio da homossexualidade."



 
A NOSSA RESPOSTA


Caro leitor 

pertencer a uma minoria, muitas vezes, significa ter de enfrentar o preconceito que, apesar de descabido, ainda existe. O que é diferente da maioria provoca espanto, sejam elas minorias raciais, sociais, religiosas ou de orientação sexual, porém isso não quer dizer que sejam mais ou menos “normais” que os demais. 

No entanto, pior que viver a homofobia exterior é ter de lidar com a homofobia internalizada, ou seja, aquela que vem da própria pessoa. Alguns homossexuais, muito antes de perceberem a natureza da sua orientação sexual, são invadidos por mensagens negativas face à homossexualidade e iniciam um processo psicológico de auto-rotulação negativa das suas próprias emoções e comportamentos. Este processo leva a que sintam vergonha face à possibilidade de serem identificados como homossexuais. Esta sensação de vergonha pode ser o resultado do confronto com possíveis ameaças externas e internas e o bem-estar emocional do próprio depende da forma como ele as gere. 

Felizmente, desde 1973, a homossexualidade deixou de ser considerada uma perturbação mental, pela generalidade das associações de médicos e profissionais de saúde. Portanto, o conceito de “normalidade” não deve ser utilizado no que diz respeito à orientação sexual. No entanto, infelizmente, a sociedade ainda recorre à orientação sexual como um critério de classificação das pessoas, o que leva a que muitos homossexuais não vivam livremente a sua sexualidade e reprimam a sua atração fisica, emocional, e erótica por pessoas do mesmo sexo. 

Para que consiga viver a sua vida plenamente, procure ajuda de um terapeuta que o ajude a libertar-se da culpa e a aceitar a sua sexualidade como um aspeto positivo da sua identidade.

Fernando Eduardo Mesquita
Psicólogo - Sexólogo Clínico
Tel: 969091221




QUAL A SUA OPINIÃO?
DEIXE O SEU COMENTÁRIO!
AJUDE OS OUTROS COM A SUA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA DE VIDA, OU PARTILHE TAMBÉM EXPERIÊNCIAS SEMELHANTES
 
A SUA AJUDA PODE SER FUNDAMENTAL...
OBRIGADO!

 
Importante: se tiver alguma questão a colocar deverá enviar mail para: psicologiananet@gmail.com
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




Mensagens

Comentários recentes

  • Anónimo

    boa noite eu sou o adao moro em pitanga no...

  • Liv

    Me identifiquei com o assunto. Sou casada há um an...

  • Anónimo

    Cara, elimine esses pensamentos hoje mesmo! VOCÊ É...

  • Anónimo

    Quanta babaquice nesses comentário sobre viu?! O r...

  • Anónimo

    Senhor, muito obrigado por você genuíno feitiço, m...